Blog Facebook Twitter
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Xeloda 500 mg - Caixa com 120 comprimidos
Xeloda 500 mg - Caixa com 120 comprimidos


R$ 2.123,00

15 produtos em estoque

Princípio Ativo:  CAPECITABINA

Xeloda

 

Laboratório

Roche

Apresentação de Xeloda

compr. rev. de 150 mg - fr. de plast c/ 60 unidades. compr. rev. de 500 mg - fr. de plast c/ 120 unidades.

Xeloda - Indicações

Câncer de mama • Xeloda (capecitabina) em combinação com docetaxel está indicado para o tratamento de pacientes com câncer de mama metastático, após falha da quimioterapia citotóxica contendo antraciclina. • Xeloda (capecitabina) está indicado em monoterapia no tratamento de pacientes com câncer de mama metastático resistente a regimes de quimioterapia com paclitaxel e antraciclina, ou resistente a paclitaxel para pacientes em que a terapia adicional com antraciclina não está indicada, por exemplo, pacientes que receberam doses cumulativas de 400 mg/m2 de doxorrubicina ou equivalente. Define-se resistência como progressão da doença na vigência do tratamento, com ou sem resposta inicial, ou recorrência nos 6 meses após término do tratamento adjuvante com antraciclina ou regimes contendo antraciclina. Câncer colorretal • Xeloda (capecitabina) é indicado em monoterapia no tratamento adjuvante de pacientes com câncer colorretal Dukes’ C (estágio III), submetidos à ressecção completa do tumor primário, nos casos em que haja preferência para terapia com fluoropirimidinas. Xeloda (capecitabina) demonstrou não inferioridade ao 5-FU/LV no que se refere à sobrevida livre de progressão. Embora nem Xeloda (capecitabina) nem quimioterapia combinada prolonguem a sobrevida global, a quimioterapia combinada tem demonstrado uma melhor sobrevida livre de progressão se comparada ao 5-FU/LV. O médico deve considerar estes resultados ao prescrever Xeloda (capecitabina) em monoterapia no tratamento adjuvante do câncer colorretal Dukes’ C. • Xeloda (capecitabina) é indicado no tratamento de primeira linha de pacientes com carcinoma colorretal metastático, nos casos em que haja preferência para terapia com fluoropirimidinas. A quimioterapia combinada tem demonstrado benefício na sobrevida se comparado à monoterapia com 5-FU/LV. O uso de Xeloda(capecitabina) ao invés de 5- FU/LV em combinação não foi adequadamente estudado para assegurar segurança ou a manutenção da vantagem de sobrevida.

Contra-indicações de Xeloda

Xeloda (capecitabina) está contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida à capecitabina ou a quaisquer dos demais componentes da fórmula do produto. Xeloda (capecitabina) está contra-indicado em pacientes que apresentem história de reações graves e inesperadas à terapia com fluoropirimidinas ou com hipersensibilidade conhecida ao fluorouracil. Como as outras fluoropirimidinas, Xeloda (capecitabina) está contra-indicado em pacientes com conhecida deficiência de DPD (diidropirimidina desidrogenase). Xeloda (capecitabina) não deve ser administrado com sorivudina ou com seus análogos quimicamente semelhantes, tal como brivudina (veja Interações medicamentosas). Xeloda (capecitabina) está contra-indicado em pacientes com insuficiência renal grave (clearance de creatinina abaixo de 30 mL/min). As contra-indicações do docetaxel também se aplicam à combinação Xeloda(capecitabina) + docetaxel.

Advertências

Xeloda (capecitabina) pode induzir diarréia, a qual eventualmente pode ser grave. Em pacientes em monoterapia com Xeloda (capecitabina) o tempo mediano para a primeira ocorrência de diarréia graus 2-4 foi de 31 dias, e a duração mediana da diarréia graus 3 ou 4 foi 4,5 dias. Os pacientes com diarréia grave devem ser monitorados cuidadosamente e se ficarem desidratados, deverão receber fluídos com reposição de eletrólitos. Se diarréia graus 2, 3 ou 4 ocorrer, a administração de Xeloda (capecitabina) deve ser interrompida imediatamente até a resolução da diarréia ou diminuição da sua intensidade para grau 1. Após diarréia graus 3 ou 4, as doses subseqüentes de Xeloda (capecitabina) devem ser diminuídas (vide Posologia). Tratamentospadrão anti-diarréia (por exemplo, loperamida) devem ser instituídos, caso indicado, o quanto antes. Os pacientes tratados com Xeloda (capecitabina) devem ser cuidadosamente monitorados quanto à toxicidade. A maioria dos efeitos adversos é reversível e não requer descontinuação permanente da terapia, embora suspensão e ajuste de dose possam ser necessárias (vide tambémPosologia). O espectro da cardiotoxicidade observada com Xeloda (capecitabina) é similar ao de outras pirimidinas fluoretadas. Isto inclui infarto do miocárdio, angina, disritmias, parada cardíaca, insuficiência cardíaca e alterações eletrocardiográficas. Estes eventos adversos podem ser mais comuns em pacientes com história prévia de doença coronariana. Raramente, uma toxicidade grave e inesperada (por exemplo, estomatite, diarréia, neutropenia e neurotoxicidade) associada com 5-fluorouracil, foi relacionada a uma deficiência da atividade da diidropirimidina desidrogenase (DPD). Uma ligação entre a diminuição dos níveis de DPD e o aumento dos efeitos tóxicos potencialmente fatais do 5-fluorouracil não pode, portanto, ser excluída. Os médicos devem ter precaução quando Xeloda (capecitabina) for administrado em pacientes com alteração da função renal (vide Instruções especiais de dosagem), pois como observado com o 5-FU, a incidência de eventos adversos graus 3 e 4 relacionados ao tratamento, foi maior em pacientes com moderada insuficiência renal (clearance de creatinina 30-50 ml/min). Em pacientes com insuficiência renal moderada (clearance de creatinina entre 30 e 50 ml/min [Cockroft e Gault]), é recomendada uma redução para 75% da dose inicial. Esta recomendação de ajuste de dose se aplica tanto para Xeloda (capecitabina) em monoterapia, quanto em terapia combinada. Caso o paciente desenvolva evento adverso graus 2, 3 ou 4, recomenda-se monitoramento cuidadoso, interrupção do tratamento e ajuste de dose subseqüente como consta na tabela de dose (vide Posologia). Entre os pacientes com câncer colorretal, com idades entre 60-79 anos recebendo Xeloda (capecitabina) em monoterapia no âmbito da doença metastática, a incidência de toxicidade gastrintestinal foi semelhante à da população geral. Em pacientes geriátricos, com 80 anos ou mais, uma porcentagem maior apresentou eventos adversos gastrintestinais reversíveis, graus 3 ou 4, como diarréia, náuseas e vômitos (vide Instruções especiais de dosagem). Dados de uma análise de segurança em pacientes com 60 anos ou mais, tratados com Xeloda (capecitabina) combinado a docetaxel, demonstraram aumento na incidência de eventos adversos graus 3 e 4 associados ao tratamento, de eventos adversos graves e nos índices de abandono do tratamento devido a eventos adversos, quando comparados aos pacientes com menos de 60 anos. Xeloda(capecitabina) pode induzir a síndrome mão-pé [eritrodisestesia palmar-plantar ou eritema acral (das extremidades) induzido por quimioterapia], que é uma toxicidade cutânea com gravidade que varia do grau 1 ao 3 (em pacientes recebendo monoterapia no âmbito da doença metastática, o tempo mediano do início é de 79 dias, com uma variação de 11 a 360 dias). (continua no original)

Uso na gravidez de Xeloda

Categoria de risco na gravidez: D. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez. Não foram realizados estudos com mulheres grávidas usando Xeloda (capecitabina); porém, com base nas propriedades farmacológicas e toxicológicas de Xeloda (capecitabina), presumese que Xeloda (capecitabina) possa gerar dano para o feto se administrado a mulheres grávidas. Em estudos sobre a toxicidade na reprodução, em animais, a administração de capecitabina causou embrioletalidade e teratogenicidade. Estes achados são efeitos esperados de derivados das fluoropirimidinas. A capecitabina deve ser considerada potencialmente teratogênica em humanos. Xeloda (capecitabina) não deve ser usado durante a gravidez. Se Xeloda (capecitabina) for usado durante a gravidez, ou se a paciente ficar grávida enquanto estiver recebendo essa droga, a mesma deve ser advertida sobre o risco potencial para o feto. Mulheres em idade fértil devem ser aconselhadas a evitar gravidez enquanto estiverem em tratamento com Xeloda (capecitabina). Não se tem conhecimento se Xeloda (capecitabina) é excretado no leite humano. Em um estudo com administração de dose única de Xeloda (capecitabina) em ratas lactantes, uma significante quantidade de metabólitos da capecitabina foi detectada no leite. A lactação deve ser descontinuada durante o tratamento com Xeloda(capecitabina).

Interações medicamentosas de Xeloda

Anticoagulantes cumarínicos: Parâmetros de coagulação e/ou sangramento alterados foram relatados em pacientes que tomavam concomitantemente capecitabina e anticoagulantes derivados da cumarina como a varfarina e fenprocumona. Estes eventos ocorreram dentro de alguns dias e até alguns meses após o início da terapia com capecitabina e, em alguns casos, um mês após a interrupção da ingestão da capecitabina. Em um estudo de interação, após uma dose única de 20 mg de varfarina, a capecitabina aumentou a AUC da S-varfarina em 57%, com um aumento de 91% do valor de INR. Pacientes tomando anticoagulantes derivados da cumarina concomitantemente com a capecitabina devem ser monitorados regularmente quanto a alterações nos seus parâmetros de coagulação (TP ou INR) e a dose de anticoagulante deve ser ajustada apropriadamente. Substratos do citocromo P-450 2C9: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa com capecitabina e outras drogas conhecidas como sendo metabolizadas pelo citocromo P-450 2C9. Devem ser adotadas precauções quando Xeloda (Capecitabina) for coadministrado com estas drogas. Fenitoína: O aumento na concentração plasmática de fenitoína foi relatado durante o uso concomitante de capecitabina e fenitoína. Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa com fenitoína, mas presume-se que o mecanismo de interação seja a inibição do sistema da isoenzima CYP2C9 pela capecitabina (veja Anticogulantes). Pacientes recebendo fenitoína concomitantemente com capecitabina devem ser regularmente monitorados quanto ao aumento das concentrações plasmáticas de fenitoína. Interação droga-alimento: Em todos os estudos clínicos os pacientes foram instruídos a tomar Xeloda (capecitabina) até 30 minutos após uma refeição. Considerando que os dados de segurança e de eficácia atuais são baseados na administração com alimentos, recomenda-se que Xeloda (capecitabina) seja administrado com alimentos. Antiácidos: O efeito dos antiácidos contendo hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio sobre a farmacocinética de Xeloda (Capecitabina) foi investigado em pacientes com câncer. Houve um pequeno aumento nas concentrações plasmáticas de Xeloda (Capecitabina) e de um metabólito (5-DFCR); não houve nenhum efeito nos 3 principais metabólitos (5-DFUR, 5-FU e FBAL). Leucovorin (ácido folínico): Foi investigado o efeito do Leucovorin (ácido folínico) sobre a farmacocinética da capecitabina em pacientes com câncer. O Leucovorin (ácido folínico) não tem nenhum efeito na farmacocinética da capecitabina e de seus metabólitos. Sorivudina e análogos: Foi descrita na literatura uma interação clinicamente significante entre sorivudina e 5-FU, resultante da inibição da diidropirimidina desidrogenase pela sorivudina. Esta interação acarreta um aumento da toxicidade das fluoropirimidinas que é potencialmente fatal. Assim, Xeloda(Capecitabina) não deve ser administrado com sorivudina ou seus análogos quimicamente relacionados, como a brivudina (videContra-indicações).

Reações adversas / Efeitos colaterais de Xeloda

Os eventos adversos considerados pelo menos remotamente relacionados com a administração de Xeloda (capecitabina) foram obtidos a partir de pacientes tratados com Xeloda (capecitabina) em monoterapia ou em combinação com docetaxel. Xeloda (capecitabina) em monoterapia - adjuvante em Câncer colorretal : Os dados de segurança de Xeloda (Capecitabina) em monoterapia foram relatados em um estudo de fase III em câncer colorretal (995 pacientes tratados com Xeloda (Capecitabina) e 974 tratados com 5-FU/LV intravenoso). Os eventos adversos relacionados ao tratamento relatados mais freqüentemente (>=10%) para Xeloda(Capecitabina) neste estudo foram distúrbios gastrintestinais, especialmente diarréia, estomatite, náuseas, vômitos, síndrome mãopé, fadiga e letargia. Os efeitos indesejáveis relacionados ao tratamento mais freqüentes (>=5%) relatados neste estudo encontram-se na Tabela 7. (continua no original)

Xeloda - Posologia

A dose recomendada de Xeloda (Capecitabina) é 1250 mg/m2 administradas 2 vezes ao dia (pela manhã e à noite; equivalente a 2500 mg/m2 de dose total diária) por 14 dias, seguidos de sete dias de descanço. Os comprimidos de Xeloda(Capecitabina) devem ser ingeridos com água, 30 minutos após a refeição. Continua...

Superdosagem

As manifestações agudas de superdose incluem náusea, vômitos, diarréia, mucosite, irritação e sangramento gastrintestinal e depressão da medula óssea. A conduta médica para a superdose deve incluir as intervenções médicas de tratamento e suporte habituais objetivando corrigir as manifestações clínicas presentes e prevenindo suas possíveis complicações.

Xeloda - Informações

A capecitabina é um carbamato de fluoropirimidina projetado como agente citotóxico para administração oral, ativação dentro do tumor e seletividade tumoral. A capecitabina não é citotóxica in vitro, porém, in vivo é seqüencialmente convertida para a fração citotóxica fluoro-uracil (5-FU) que é posteriormente metabolizado. A formação de 5-FU é catalizada preferencialmente no tumor pelo fator angiogênico associado ao tumor, timidina fosforilase (ThyPase), minimizando assim a exposição dos tecidos sadios do organismo ao 5-FU sistêmico. Essa ativação seletiva nos tumores resulta em níveis intratumorais de 5-FU significativamente maiores do que os níveis nos tecidos normais.